quarta-feira, 30 de outubro de 2013

ESTRO

     Desenho Thaís Ribeiro.
     Arquivo pessoal.

ESTRO

                                  
Por mais que tente, sempre quando escrevo
Desviar meus poemas, ou quem sabe então
modificar todo esse meu acervo
Para esquecer de vez essa paixão!

Mas sua presença, logo que domina
meus sentimentos sem eu perceber
E invade assim, meus versos em rotina!
E quando dou por mim... Chega você!

A destilar saudade sem preceito
No meu negar em rimas - queira ou não
Quando de fato ditas em suspeito...

Se na verdade em toda poesia minha
traz meu estro total inspiração
Você de novo, em minhas entrelinhas!


Mônica Pamplona.
16/08/13

Um comentário:

  1. Um belíssimo poema, soneto, de amor e paixão.

    Parabéns Monica!
    ZCH

    ResponderExcluir