sexta-feira, 28 de outubro de 2011

DEPRESSÃO


Abre-se a porta dos mistérios
Escondidos em compartimentos
Inacessíveis à memória

Refletem dor,
desespero,...
Traumas que não precisam
despertar

Pisss...
Fechemos a porta
Não há motivos para liberá-los.

Mônica Pamplona.

29/08/2011

SEM SAIDA


Transbordou o cálice
Chega de tentar esconder,
...Conduzir,
direcionar,...
O que não foi permitido

Tentamos encontrar uma saída
Mas a saída,

é a saída
de um de nós dois.


Mônica Pamplona.
24/08/2011



DÚVIDAS ?????



Indecisos são os que não se resolvem
Não facilitam
alguma solução
Sobrepõe a dúvida
Negligenciando uma certeza
Indispensada numa resolução

Sonolentas mentes
Equivocadas, sem precisão
Escalam,
E ficam em cima do muro
Aproveitam o melhor momento
E descem
Do lado que já está em aprumo

Inevitável e perceptível sombra
Interfere provocando opções
Da certeza, apenas um consorte
/ aqueles que já apelaram a ela/
Sabem, que onde há vida, há morte.

Mônica Pamplona.
20/10/2011


METAMORFOSE


 ...Em tal metamorfose
Eu/Flor, total sincronia
Versos em osmose
Desmancho-me em poesia.





27/10/2011

CRIANÇA (DES)ESPERANÇA ( QUARTETO DE QUADRAS)


Somos ainda tão pequeninos
Sem termos a noção de nada
Somos meninas e meninos
Vagando pelas calçadas.

Sorrisos tristes e amargos
Nos lábios a definir
A falta de tantos laços
A tantos, para nos unir.

Esmolas não satisfazem
Crianças tão carentes
Gostaríamos que respeitassem
Por sermos tão diferentes

Dê-nos uma migalha de amor
Ou somente sobras de afago
Serve apenas um cobertor
Aquecerá do frio nossos trapos.

Mônica Pamplona.

VERDADES & MENTIRAS


Não vejo a verdade desabrochar
Em tudo aquilo que acredito
Mentiras infiltram-se
E absorvem meu cotidiano
Não,...
Não saberia dizer
Até onde, tudo isso, causa-me danos

As lesões ousam,
Mas não se apoderam
Dos ganhos obtidos na tentativa da verdade
Onde se esconde notório segredo
Da mais legitima e concreta realidade

Escusos domínios entre;
Mentiras e verdades
Uma é falsa, dissimulada
A outra, pura e transparente
No balanço de uma para a outra
Requer habilidade para quem as tente.

Mônica Pamplona.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

EM CIMA DO SALTO (série mulher VI )







Com graça sofisticada
Aos teus pés te reverencio
Destaco,
realço
e calço
O teu bom gosto em que confio

Acompanho delicados passos
Daquela que me quer
Invisto,
insisto,
nessa ousadia
Em que se destaca uma mulher

Apurado prazer que,
liberta com maestria
 Na autenticidade que revela
A segurança de um salto
 Faz com que desafie uma passarela

No equilíbrio que me consentes
Reluzo nessa malícia
Audaciosa,
fugas,

...Sabendo-se da magia
que envolve cada mulher
Onde não poderia ser o contrário
Ressaltando a evidência da elegância
Quando tira um salto alto do seu armário!


Mônica Pamplona.